27/04/2017

o Eduardo foi à procura de si mesmo e encontrou uma gata riscada


(palavras)

(Por entre linhas que podem ser lidas em diferentes idades, conta-se uma história que todos nós conheceremos. Seja porque ganhamos anos, ou seja porque os perdemos....)

O Eduardo fazia treze anos. Tinha convidado todos os seus amigos, colegas de escola e família. Estava tudo a postos; a mãe preparara tudo até ao mais pequeno detalhe. Doces, salgados. Jogos e surpresas. Música, muita música. Ele só não tinha contado com o nozinho na garganta nem com o aperto na barriga que tinha sentido ao longo das últimas duas semanas.
Tentara escondê-los numa gaveta. Dá-los como acepipes aos dobermans do vizinho do lado. Tentara atirá-los cano abaixo. Sem se esquecer de puxar a água. O resultado não foi nenhum. Aliás, o nózinho na garganta e o aperto na barriga não só continuavam agarrados ao Eduardo como duas lapas com medo de caírem no mar, como cada vez mais impunham a sua presença. Estavam mais intensos. Mais insuportáveis. De tal forma que o Eduardo até se esquecera de como o incomodavam, o assombravam, as borbulhas que lhe tinham crescido no queixo, na testa e no nariz.

Alguma coisa gritava dentro dele, cada vez mais alto. Numa dessas noites, teve um sonho: estavam todos na festa. Divertiam-se, comiam, riam-se às gargalhadas. Até a Maria, a rapariga mais bonita do mundo lá estava… A dançar com o Nuno! Mas era ele, Eduardo, quem deveria estar ali. Ali, a dançar com a rapariga que o fazia corar só de lhe dizer “bom dia”.
Onde estaria ele? Perguntou à avó, ao pai, à prima, ao Vasco e ao canário. Ninguém o via, ninguém o ouvia nem tão pouco o sentia, e o mais terrível de tudo é que ninguém parecia sentir a sua falta. Na sua própria festa de anos…
Acordou aflito, assustado, esgotado, angustiado e, enfim, compreendeu: não sabia de si mesmo, realização esta que lhe valeu, como que por milagre, o desaparecimento do nozinho da garganta e do aperto da barriga. Sumiram no ar como bolas de sabão num dia de vendaval.
Sim, porque o nosso corpo envia-nos mensagens. Se não as lermos, a nossa caixa do correio vai ficando cheia até entupir, e aí, ai e aí sim, temos mesmo que escutar com muita atenção o que ele nos tem para dizer. O Eduardo ainda retirou uma segunda moral da história: não devia ter comido tantos biscoitos!  

O Eduardo resolveu, então, ir à procura de si mesmo. Começou por procurar no seu quarto. Procurou debaixo da cama. Mil fios de cabelo cor de cenoura, um carrinho de colecção que não via já lá iam três meses. De Eduardo, nada.
Procurou dentro do guarda-fatos, mas voltou imediatamente a fechá-lo. Pelo estado caótico do seu interior, estariam lá com certeza os combatentes da Revolução Francesa. Com certeza que não haveria lugar para ele.
Eduardo resolveu arriscar e ir mais longe. Foi até à cozinha confirmar se não teria ficado dentro do frasco dos biscoitos. Também não. Nem ele, nem os biscoitos. Esses tinham-lhe dado uma noite complicada.
 “Vou à luta!” – pensou com convicção, e saiu apressado de casa. Procurou por todo o lado onde se lembrou. Nas lancheiras dos outros miúdos que brincavam no parque: pães com chocolate, iogurtes líquidos com sabores estranhos e fruta cuidadosamente descascada havia pelo menos uma semana. Nas lojas de animais, dentro dos aquários: apenas peixes incomodados, pedras apáticas e algas de um acetato viscoso.
Na mesa de uma esplanada, pesquisou no interior de uma caixa com a marca de um sumo, de onde os guardanapos sugeriam serem retirados, um a um, sem qualquer tipo de resistência. Eduardo fez-lhes o favor, aproveitando para ter a certeza de que o que tanto procurava não estaria lá no fundo, a seguir ao último papelinho.
Só mais uma experiência esquisita com um resultado inútil. Além do mais, desagradável. Um empregado do café a correr furioso atrás dele invocando a defesa das árvores e a sobrevivência do planeta. O Eduardo até concordava com ele, mas a confusão que habitava a sua cabecinha naquele momento tinha sido mais forte.  

Estava exausto e o que é certo faria anos no dia seguinte e fazia a mais pequena ideia de onde poderia estar. Sentou-se, por fim, num banco de jardim onde uma gata riscada fazia a sua higiene diária. Sem querer perturbar a privacidade felina, chegou-se para um cantinho tentando acalmar a avidez que tinha o conduzido até ali.
Enquanto olhava cabisbaixo para os espaços que com esforço tentavam unir as pedras da calçada, numa mistura de desânimo e esperança de andar perdido algures por ali, ouviu uma voz sedutoramente arrastada que se dirigia a ele.
- Humano de tamanho médio … Sim, tu aí. Quero dar-te os meus sinceros parabéns.
A gata fitava-o agora com os bigodes muito esticados. Depois de alguns segundos em que Eduardo se sentiu verdadeiramente atordoado, sem perceber muito bem o que se estava a passar, conseguiu retorquir:
- Bem, obrigada. Mas só faço anos amanhã.
- Não há dúvida que és mesmo um ser humano – afirmou a gata, por entre ronronos que mais pareciam risinhos. - No entanto pareces-me um bocadinho mais inteligente que os outros, dado que a maior parte dos da tua espécie deambula constantemente de um lado para o outro. Andam sem saber muito bem porquê nem para quê. Não procuram nada. Não acham nada. Gostam é de partir para depois chegarem e de chegar para depois partirem. Tu, meu docinho, conseguiste sentar-te e parar, por um instante que seja. Foi por isso que te dei os parabéns! – finalizou num miado teatral.
- O problema é que ando à procura, mas não encontro – disse desanimado o Eduardo.
- E o que achas que procuras tu? Comida, areia, parceira? – perguntou a gata riscada enquanto olhava de esguelha, com os seus olhos grandes, verdes, espertos, para um pardal, que acabara mesmo de poisar nas costas do banco de jardim.
- Para já, procuro-me a mim mesmo.
- Tenho a ligeira sensação que te sobrestimei –  miou altivamente a gata. - É que não sei se já percebeste que tu estás precisamente … aí!
- Também já tinha reparado. Só o que eu procuro é mais do que tu estás a ver. Procuro-me a MIM próprio, por dentro… É difícil de explicar…
- Socorro – interrompeu a gata sem qualquer expressão de aflição. - Já te disse que estás aí. Vou-te dizer um segredo, por isso quero que prestes muita atenção e, desde já, considera-te um privilegiado por teres a oportunidade de beber da sabedoria suprema dos felinos – e novamente ronronou, orgulhosa.
Acabando de lavar as almofadas fofas das patas da frente, dedinho a dedinho, a gata riscada pestanejou ao jeito das actrizes de cinema e sussurrou baixinho:
- A vossa espécie gosta de complicar aquilo que é absurdamente simples, mas na verdade só o faz para se sentir inteligente, inventando ciências que parecem explicar tudo. Vocês até conseguiram arranjar uma explicação, bastante ridícula por sinal, para os gatos terem bigodes. Francamente. Consideram-se donos e senhores do mundo. Aquilo que conseguem é apenas baralharem-se cada vez mais.
Embora tivesse questões a colocar à mestre felpuda, Eduardo concluiu sensatamente que a sua mestre jamais aprovaria ser interrompida. Por esse motivo resolveu manter primorosamente o seu papel de ouvinte muito atento. A gata mantinha fitas as suas orelhas peludas, que mexiam atentas ao bater das asas das borboletas.
- Mas tu, sendo de tamanho médio, ainda vais muito a tempo de não te baralhares tanto. – a gata inclinou a cabeça num gesto preciso, e ao mesmo tempo, terno, inesperado.
Continuou, enquanto a sua cauda comprida, e riscada, executava movimentos perfeitos em absoluta sintonia com aquilo que, dengosamente, ia dizendo:
- Primeiro que tudo, nunca te procures fora de ti. Seja numa pessoa, num animal (até mesmo num gato), num objecto, numa situação, seja naquilo que for. Ainda que por vezes te pareça difícil de a encontrar, a verdade estará sempre dentro de ti. A gata riscada parecia ter terminado, dando agora o espaço e o tempo suficientes para Eduardo reflectir um pouco.
- Parece-me que tens toda a razão! – exclamou entusiasmado o Eduardo, como de repente tudo se tivesse tornado tão claro e ridiculamente simples.
- Parece-te?! Meu menino, os gatos têm sempre razão, eu tenho sempre razão. Vocês, seres humanos, deveriam observar-nos com mais cuidado: relembrariam aquilo que sempre souberam e que resolveram esquecer. Pensem mais, perguntem mais, olhem mais, escutem mais e, por favor, façam o obséquio de correr menos, pois não chegam a lado nenhum e ainda conseguem a proeza de nos deixar a todos bastante tontos – proclamou com um enorme suspiro. Simulando um desmaio dramático, deixou-se cair comicamente devagar, ficando deitadinha de lado. Suspirou.

Dando por terminada a sua boa acção diária, a gata riscada levantou-se, espreguiçou-se vagarosamente, curvou-se fazendo uma ponte com as costas e roçou-se com meiguice no Eduardo, dando-lhe a entender que estava a exigir uma festinha. Despediu-se, oferecendo-lhe uma lambidela áspera e uma dentadinha delicada na mão. Por fim, executou um salto acrobático e afastou-se abanando felinamente as ancas. O Eduardo não pode dizer mais nada. Realmente, não queria dizer mais nada. Estava tudo dito.
Reflectiu mais um pouco e, espreguiçando-se, aproveitando todos os milésimos de segundo, percebeu que se sentia bem. Aprendera que em alguns lugares seria falta de educação fazê-lo, porém os bancos de jardim não se incluíam nessa lista. Acabara de decidir, então, que iria dedicar um bocadinho de cada dia, simplesmente, a esticar-se. Claro, sentadinho no banco de jardim absorvido unicamente no seu pensamento. Em busca de si mesmo. Pelo menos com uma certeza maior de que sempre lá tinha estado.
Eduardo decidira, igualmente, viver mais atento a tudo o que rodeava de um modo geral, mas em particular ao que se passava no seu interior e no de todas as pessoas que conhecia. Acima de tudo, no interior daquelas pessoas que por alguma razão o irritavam, ou as quais considerara que nunca seria possível vir a compreender.
Até resolveu ser mais carinhoso com o Chiclete, o pinscher da avó . Iria apenas pedir-lhe encarecidamente que não falasse, caso contrário as consultas de psicologia iriam ter que ser uma hipótese a considerar.
Pensando bem, afinal de contas, ficara uma questão por colocar à gata riscada e, assim, poderia ser que pudessem “dialogar” novamente: qual seria a verdadeira razão dos gatos terem bigodes? Quanto à higiene diária, Eduardo resolvera manter o banho como a sua única opção, deixando a auto-limpeza para as espécies superiores.


por Ana Sevinate
SHARE:

Sem comentários

Publicar um comentário

© Histórias de Raiz . All rights reserved.