11/01/2019

a marcha do xadrez


(palavras)

“Que fazemos agora – sussurrou Harry
“É óbvio, não é? – disse Ron. “Temos que jogar até chegarmos ao outro lado da sala. “
Por detrás das peças brancas eles podiam ver outra porta.

J.K. Rowling
In Harry Potter e a Pedra Filosofal



Destino e legado. Avançam. Um, dois, três. Sem saber porquê. Recuam. Sem saber porquê. Carregam. Não sabem o quê. Só sabem porquê. Um, dois, três. Lealdade, fio de pertença. Clã. Dinastia.

Um, dois, três. Em frente. Em direção ao futuro. Um, dois, três. Em direção a nenhures. Torre. De marfim. Gaiola dourada. A fechadura foi aberta há muito. A chave já não é mais precisa. Para manter cativa a vontade. A magnificência das asas. Aprenderam a fechar-se. A comportar-se.

Peões, soldados. Um, dois, três. Em marcha. Frente da batalha. Pelotão.

Desenha-se o triângulo. Das bermudas. Desaparece o lugar de cada um. Perde-se o poder de cada um, tudo se dá, nada se recebe. Confusão.

O rei. Um, dois, três. Tesouro. É ele a porta. Distinto. Soberano. Bravura. Potência vulnerável. É no rei que dorme o segredo. É no rei que descansa o poder do céu. Manto coberto de estrelas. Sabedoria de quem tem amor. À terra. Proteja-se. O lado direito. 

Cavalo branco, a galope. Até ao infinito, em defesa, guerreiro, mago, agricultor, poeta.

A rainha. Um, dois, três. Deixem-na passar. Soberana. A marcha depende dela. O fogo depende dela. O jogo depende dela. Da malha. Armadura de quem é combatente. É na rainha que se esconde o mistério. É na rainha que descansa o poder da terra. Território. Rainha das neves. Perde-se a inocência. Rainha vermelha. Não se pode perder a cabeça.

Cavalo preto, a galope. Não precisa de ser salva, espada em punho, erguida ao céu, amazona.

Lado a lado, agora em par. De braço dado. A rainha e o rei. Equilibra-se a balança. Parceria, co-governação, companhia. A trote, cavalo branco e cavalo preto, parelha. Um, dois, um, dois.

Liberte-te então o peso. Devolva-se a carga ao seu legítimo dono. Abrace-se a força. Da linhagem. Das raízes. Benção ancestral.  De geração em geração. Alinhados. Ordenados, mas não às ordens. 

Resgate-se a magia de se ser rainha e de se poder de ser amada. Senhora de si. História antiga. Resgate-se a possibilidade de se ser rei e de se poder ser abraçado. Senhor de si. História revista.

Honremos. O lugar de cada um. O direito de pertença. De todos nós. Que é oferenda. Dos reis. Cantemos a eles.



por Ana Sevinate
SHARE:

Sem comentários

Publicar um comentário

© Histórias de Raiz . All rights reserved.